30/06/2015
Ganhando tempo
Questionada sobre a delação premiada de Ricardo Pessoa, que acusou dois de seus ministros - Edinho Silva e Aloizio Mercadante - de receber dinheiro da UTC pra campanhas eleitorais petistas, Dilma desqualificou o empreiteiro dizendo que não respeita "delatores". E tentou jogar Aécio Neves na fogueira, como se o tucano tivesse, como ela, ingerência na Petrobras. Dilma ganha tempo, mas não afasta suspeitas de que a campanha de 2014 foi financiada com dinheiro proveniente do que o procurador-geral, Rodrigo Janot, chama de "descomunal" caso de corrupção.

Postado por Equipe do Blog às 09:13
[6 Comentários]  [Envie esta mensagem]
meu perfil
 Ex-deputado, 62 anos, advogado, cantor amador e motociclista  
Na Prateleira
histórico
links
- Correio Braziliense
- Cristiane Brasil
- Época
- Folha de São Paulo
- O Estado de São Paulo
- O Globo
- Valor Econômico
- Veja
busca
CONTATO
- Fale Conosco
Acessos
000000005470542
Siga-me no twitter
Siga-me
Dê uma nota para este blog

Indique este Blog
WebMaster
WebDesigner
Teresa Ferrão
30/06/2015
Gritaria não põe comida na mesa

Em Brasília, onde se reuniu com as bancadas do PT na Câmara e no Senado, Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu que a crise enfrentada pelo governo de Dilma Rousseff "é preocupante e dramática", e que o PT precisa "ressurgir", se quiser "sobreviver" ao "cerco" político ("Estadão"). Para Lula, a saída para o partido é se "articular com os movimentos sociais". É Lula jogando no enfrentamento, no "nós" contra "eles", divisão que nada acrescentou ao debate político. O ex-presidente perde a oportunidade de exercitar seu lado "metamorfose ambulante", com o qual foi capaz de se reinventar até chegar à presidência da República. Se Lula insistir no ódio, vai colher ódio. O que o "Brahma" não vê é que os tempos são outros. Gritaria não põe comida na mesa.


Postado por Equipe do Blog às 10:59
[0 Comentários] [Envie esta mensagem]
30/06/2015
Parem as máquinas!

Sites de notícias destacam que o governo da Grécia e os credores retomaram as conversas na tentativa de evitar o calote de 1,6 bilhão de euros no Fundo Monetário Internacional (FMI) de uma dívida que vence hoje, 30. Segundo o gabinete de Alexis Tsipras, ele conversou por telefone com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o presidente do BCE (Banco Central Europeu), Mario Draghi. Enquanto o acordo não sai, as bolsas despencam e todo o mundo. Na mesa de negociações, diz o site da "Folha", estão as mesmas bases discutidas até sexta-feira (27) de um ajuste de pelo menos 7,9 bilhões de euros nas contas públicas, focado em uma profunda reforma na previdência, mais corte de gastos e maior incidência no IVA, o imposto sobre valor agregado. O mundo torce para que eles achem uma saída que contemple os dois lados, ainda que pareça impossível. Cabe ao capital fazer o gesto de boa vontade para que uma combalida Grécia volte a respirar.


Postado por Equipe do Blog às 09:30
[0 Comentários] [Envie esta mensagem]
29/06/2015
Se colar...

Na "Folha de S.Paulo", o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, diz que vai pôr em votação até 2017 emenda à Constituição para implantar o regime parlamentarista (sistema em que chefe de Estado e chefe de governo, eleito pelo Parlamento, são funções separadas), opção rejeitada pelos brasileiros em 1993. Cunha, porém, toma o cuidado de esclarecer que o parlamentarismo valeria para o sucessor de Dilma Rousseff, embora a discussão sobre o tema tenha de ser "rápida". Para o presidente da Câmara, mudar o regime agora seria "golpe branco", mas admite que o debate vem crescendo entre os partidos. Para refrescar a memória, o parlamentarismo foi a solução política encontrada em 1961 quando os militares brasileiros não aceitaram que o então vice-presidente João Goulart assumisse o governo com a renúncia de Jânio Quadros. Eduardo Cunha se cercou de cuidados para parecer natural, mas o que importa é que jogou a discussão parlamentarista na rua. Se vai frutificar, é outra história. O terreno, porém, nos parece propício a florações.


Postado por Equipe do Blog às 02:21
[0 Comentários] [Envie esta mensagem]
29/06/2015
A maior cartada do "Brahma"

Enquanto Dilma tenta convencer investidores, nos EUA, de que nossa economia, embora na UTI, ainda possui atrativos, Luiz Inácio veio a Brasília comandar reuniões e encontros pra tirar o PT, o governo e até ele mesmo do tal "volume morto". Um desses encontros será com o marqueteiro João Santana, certamente chamado a criar jogo de palavras e nova miragem, com entrega a longo prazo, pra entreter o povão. Hoje fera ferida, Luiz Inácio Lula da Silva joga a maior cartada política de sua vida pra tentar salvar a si e ao PT (Dilma virá por gravidade).


Postado por Equipe do Blog às 02:15
[10 Comentários] [Envie esta mensagem]
29/06/2015
Um olho no gato e outro no peixe

Enquanto Dilma se agarra à viagem aos Estados Unidos como oportunidade, ainda que perdida, aqui as teorias conspiratórias sobre o impeachment vicejam como "chuchu na serra". Apesar de o estouro da delação de Ricardo Pessoa ter empanado o brilho da festa nos EUA, o espaço de tempo até a volta dá chance à presidente de montar uma estratégia para tentar salvar dois fiéis escudeiros - Edinho Silva e Aloizio Mercadante. De convescote em convescote, Dilma não tira os olhos do que acontece no País. É um no gato e outro no peixe.


Postado por Equipe do Blog às 01:50
[0 Comentários] [Envie esta mensagem]
29/06/2015
Gota no oceano

Apesar da pressão que as más notícias do calote grego causam nos negócios da Bovespa, a bolsa brasileira reagiu na manhã de hoje graças ao anúncio do novo plano de negócios da Petrobras para a gestão de 2015/2019. O curioso é que as ações da estatal subiram mesmo com a divulgação de um plano com previsão de redução de 37% nos negócios em relação ao previsto. Talvez seja pelo fato de que depois de tantas notícias negativas envolvendo a empresa, o anúncio de investimentos de US$ 130 bilhões em alguns anos não deixa de ser um bom indicador de que a estatal quer retomar o protagonismo perdido, já que passou a ser apenas a 4ª maior empresa do País. Resta saber como a Petrobras fará para reduzir o endividamento de mais de R$ 330 bilhões, o maior do mundo. Será que só o pré-sal salva?


Postado por Equipe do Blog às 01:04
[0 Comentários] [Envie esta mensagem]
29/06/2015
Boia de salvação

Pode ser votado esta semana no Senado projeto do senador José Serra (PSDB-SP) que tira da Petrobras a condição de operadora exclusiva do petróleo da camada pré-sal. Apesar da grita do PT e dos partidos de esquerda - que rejeitam a proposta com argumentos ideológicos, ora afirmando que representa o fim do regime de partilha, ora que é a "privatização indireta" da companhia e outras baboseiras -, a verdade é que a projeto goza da simpatia da diretoria da Petrobras. A obrigatoriedade da operação exclusiva do pré-sal sal se tornou uma âncora que impede a evolução dos negócios da estatal. Se os diretores não fizerem marola, o projeto tem grande chance de ser aprovado.


Postado por Equipe do Blog às 01:02
[0 Comentários] [Envie esta mensagem]
29/06/2015
Ano desastroso

Previsões do mercado no boletim Focus voltaram a piorar, o que já virou rotina. A expectativa de inflação saltou de 8,97% para 9%; nos juros, a visão geral é que a Selic tende a subir e pode chegar a 15% até o fim do ano, devido à resistência da inflação. E o PIB segue caindo, com as projeções apontando para resultado negativo de 1,45% para 1,49%. No ritmo atual, não seria absurdo afirmar que poderemos ter um ano com inflação de dois dígitos (10%) e PIB negativo de 2%. E o pior é que dizem que o fundo do poço está longe de chegar. Onde será que vamos parar?


Postado por Equipe do Blog às 12:15
[0 Comentários] [Envie esta mensagem]
29/06/2015
O dom de iludir

Mercado financeiro global em polvorosa com a Grécia, que tomou ares de fim do mundo ao ameaçar a moeda do bloco econômico mais influente do mundo, o euro, e a União Europeia, engenharia política e econômica que levou décadas para ser construída. Enquanto isso, o governo de Alexis Tsipras mandou fechar os bancos e a bolsa de valores por uma semana e limitou os saques diários nos caixas eletrônicos até 60 euros após o BCE (banco central europeu) informar que não cobriria os recursos sacados. Para ganhar a eleição, em janeiro deste ano, o partido de esquerda Syriza de Tsipras encheu o povo grego de esperança prometendo que negociaria com os credores da dívida do país uma "nova solução" que beneficiaria a "todos". No final esticou ao máximo a corda e jogou a responsabilidade sobre as costas dos gregos, que hoje vivem à beira do calote. A Grécia pode até sair da zona do euro, o que seria bom no curto prazo, mas, no longo, seu futuro seria incerto, até porque é uma economia fraca. Enquanto isso, outros países da zona do euro, como Espanha e Portugal, que ainda não se recuperaram da crise de 2008, temem o efeito do "vírus grego".


Postado por Equipe do Blog às 12:00
[0 Comentários] [Envie esta mensagem]